in ,

Casada transou com morador de rua: tudo que sabemos sobre esse caso bizarro

Uma das histórias mais surreais dos últimos anos continua rendendo pano pra manga e tem novidades

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Uma história completamente inusitada aconteceu há poucos dias, no dia 9 de março, e continua repercutindo nas redes sociais. Um personal trainer flagrou a esposa tendo relações sexuais com uma pessoa em situação de rua (no popular: um mendigo) dentro do carro da família.

Um dos casos mais bizarros dos últimos anos, a história aconteceu em Planaltina, no Distrito Federal.

Ao ver o mendigo pelado sobre sua esposa, o personal trainer pensou que ela estava sendo estuprada, tirou o homem do carro e o agrediu.

Contudo, a mulher afirmou que a relação havia sido consensual  e implorou que o marido parasse de bater no homem. Daí pra frente a história fica cada vez mais cabeluda…

Veja também:
Morador de rua senta um tapão na cabeça de um cliente em restaurante

Câmeras de segurança flagraram o momento em que Eduardo Alves, de 31 anos, se aproxima do carro e flagra a mulher – Sandra Mara Fernandes, de 33 anos – transando com o morador de rua de 48 anos cuja identidade foi preservada.

A situação aconteceu por volta das 22h de quarta-feira (9), mas foi divulgada e se tornou conhecida em todo o Brasil nesta quarta (16).

Sandra estava acompanhada da sogra (mãe de Eduardo) quando foi fazer um trabalho de evangelismo em meio a uma ação de caridade promovida pela igreja evangélica que elas frequentavam.

A versão de Sandra sobre o mendigo: “vi Deus”

O morador de rua teria pedido doações e também para ser curado. Me deu vontade de dar um abraço nele, disse Sandra em áudio de uma conversa com o que parece ser uma amiga. O mendigo também teria pedido para fazer carinho nos pés dela.

Eu senti uma coisa tão boa“, afirmou a esposa do personal trainer que chegou a dar um beijo no morador de rua na frente da própria sogra, que não acreditava no que estava vendo.

Ao ser repreendida pela mãe do marido, Sandra disse: “É o meu propósito, deixa eu receber o meu propósito“.

Em um relato detalhado da própria Sandra, que acabou caindo na internet, ela conta a história de maneira completamente lúcida e garante acreditar que o mendigo tratava-se de uma aparição de Deus – e que ela tinha um propósito com o Senhor.

Momentos depois, ela se separou da sogra e, segundo relato do próprio morador de rua, ela perguntou se ele não queria “brincar”. Eles, então, combinaram de se encontrar em um local mais reservado.

“Fui procurando pela rodoviária um lugar escuro e vazio pra gente ficar junto. Eu senti a necessidade de deixar ele entrar no meu carro, afirmou Sandra na gravação.

Veja também:
Thomaz Costa e Grazi Mourão são flagrados pela polícia fazendo sexo na rua

“Ele [Eduardo, o marido] relatou que, após ajudar um morador de rua em Planaltina, as mulheres [mãe e esposa] haviam se separado. Ele procurou pela esposa e, ao avistar o carro estacionado, imediatamente se aproximou, momento em que viu a mulher com um homem, tendo relações sexuais”, disse a Polícia Civil, por meio de nota encaminhada ao portal ‘Uol’.

“Nesse momento entrou em luta corporal com o acusado, pois, acreditava que ela estava sendo estuprada. A delegacia apura o caso”, finaliza o texto.

Diante da confusão, a polícia foi acionada e, tanto o morador de rua quanto Sandra Mara Fernandes, foram levados ao hospital – ele, com vários ferimentos no rosto. Ela, por sua vez, confusa e parecendo estar em surto devido a problemas em sua saúde mental. 

Veja:

Veja também:
Homem morre em pé no meio da rua e cena apavora população

Segundo Sandra afirmou em áudio, ela teve alucinações durante o ato e em certos momentos enxergava o morador de rua como o marido Eduardo, depois via Deus.

Às vezes, eu o enxergava como Deus, às vezes como Eduardo, disse ela.

Ouça a própria Sandra relatando toda sua versão da história, com detalhes de arrepiar a espinha de qualquer um:

Veja fotos do momento em que Sandra evangelizava o morador de rua:

Sandra - morador de rua
Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Marido ainda acredita em estupro

Dias depois do ocorrido, Eduardo Alves concedeu entrevista ao portal ‘Uol’ sobre o caso. Segundo ele, não se trata de uma traição conjugal, e, sim, crime de violência“. 

A Sandra sempre foi uma mulher honesta, trabalhadora, temos atividades profissionais e filhos pequenos. O que aconteceu na última quarta-feira foi algo terrível que nunca havíamos vivenciado. Seguimos confiantes no trabalho de investigação da Polícia Civil do DF e do Ministério Público do DF”, afirmou o personal trainer.

“A família tem dado todo o suporte a ela, estamos acompanhando a evolução médica. Pedimos a cessação [sic] de divulgação de matérias inverídicas, que menosprezam a mulher vítima de violência, declarou.

Veja também:
Caos na igreja! Pai surta, tira a roupa, agride filha e acaba espancado na rua; vídeo

Segunda a advogada do casal, Sandra está internada em um hospital particular. Ela reafirma que o mendigo praticou violência sexual. “Ela está recebendo suporte clínico e psiquiátrico, conforme protocolo de atendimento para esse tipo de violência”, afirmou.

Eduardo também publicou um vídeo na internet negando supostas notícias falsas que, segundo ele, continuam sendo divulgadas sobre sua família.

“Estão gerando um conteúdo ofensivo contra a honra da minha esposa, que sofreu violência sexual aqui na cidade de Planaltina (DF) por um morador de rua, e diante disso vejo que os fatos têm sido transmitidos de maneira errônea por ambas as partes, sendo que no momento deveriam estar preocupados com a saúde dela, já que a mesma se encontra internada”, declarou Eduardo no vídeo.

Confira:

Veja mais fotos do casal publicadas nas redes sociais que foram desativadas após o caso:

Eduardo Alves e Sandra
Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Thomaz Costa e Grazi Mourão são flagrados pela polícia fazendo sexo na rua

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

Luccas Neto - youtuber

Luccas Neto garante que especialista infantil aprova todo seu conteúdo

crianças camisa de força - escola SP

Vídeo mostra crianças presas com ‘camisa de força’ no banheiro de escola