in

Greve dos caminhoneiros obriga restaurantes a mudar cardápios

Paralisação afeta fornecimento de ingredientes para diversos estabelecimentos

Um dos programas preferidos do brasileiro pode ser prejudicado neste fim de semana. A greve dos caminhoneiros, que chegou ao quinto dia na sexta-feira (25), já afeta o fornecimento de ingredientes nos restaurantes. Já faltam produtos básicos como cebola e batata, conforme relatado por chefs.

A principal reclamação é em relação aos ingredientes frescos, como hortifrúti. Em São Paulo, o Ceagesp disparou um comunicado na noite de quinta informando que boa parte dos alimentos provenientes de outros Estados estavam em falta e que o mercado de verduras e hortaliças do entreposto operava com 50% da sua capacidade.

Os chefs descartam fechar as portas temporariamente, mas já estão se mexendo para se adaptar com o que têm no estoque, especialmente em São Paulo. Edson Yamashita, do japonês Ryo, aposta na conservação dos alimentos já comprados: “Nós estamos nos virando, praticando algumas técnicas de armazenamento de produtos frescos.”

Luiz Filipe Souza, do italiano Evvai, também já tomou algumas medidas: “Estamos segurando as produções de caldos e bases, a fim de esperar os próximos passos da situação, produzindo apenas o necessário para o dia.”

No Maní, a chef Helena Rizzo adiantou as compras e estocou produtos importantes. Mas alguns fornecedores já estão avisando por e-mail a possibilidade de faltarem ingredientes, contou ela

Fora do menu

Quem tem estoque grande está mais seguro. Já aqueles que trabalham com entregas diárias é mais prejudicado. Rogério Fasano garante que em São Paulo tudo se mantém normal, por causa da grande estrutura das suas casas (como Fasano, Gero e Parigi). Já no Rio a preocupação é bem maior e alguns pratos podem ficar de fora do menu de casas como Fasano Al Mare, afirma o restaurateur.

Veja também:
Agressor da procuradora é preso após se internar em hospital psiquiátrico

A falta de batata é a principal reclamação entre os chefs. Luiz Filipe conta que o preço já triplicou. “Mas precisamos comprar mesmo assim, pois não pode faltar.” Já Marcos Livi, dono de várias casas na cidade como a pizzaria Napoli Centrale e a hamburgueria C6, cancelou o pedido que chegaria na sexta devido ao aumento abusivo do preço do tubérculo.

O italiano Sauro Scarabotta, do Friccò, fez o mesmo e disse que, assim que acabar o nhoque que tem pronto, vai tirar o prato do cardápio até as coisas voltarem ao normal.

No Più, restaurante italiano no Baixo Pinheiros, a entrada de maior sucesso da casa já corre riscos no jantar: a burrata, que é defumada na mesa, vem de Minas e não foi entregue nesta semana As folhas também podem ser um problema. Scarabotta pondera: “Mas com este clima vende-se pouca salada. Se faltar algumas folhosas, não vai ser um problema.”

Outra casa que sofre com a falta de laticínios é o Terço, na Vila Nova Conceição. “Vamos ficar sem creme de leite fresco e, então, vamos ter de comprar no supermercado, de outra marca e com preço superior”, prevê o chef Luis Gustavo Moraes. E não são só restaurantes que enfrentam dias difíceis.

A Deli Garage, padaria na Vila Madalena, já prevê que na próxima semana devem faltar manteiga, que vem de Minas, e farinha orgânica para os pães.

Greve dos caminhoneiros continua porque governo ignorou pedidos do movimento

Veja também:
Quina de São João: funcionários de empresa ganham bolão, mas seguem trabalhando

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

Falta combustível em 12 aeroportos neste sábado, diz Infraero

Padre Fábio de Melo afirma ter discurso ‘naturalmente atraente para o público feminino’