in ,

Marcão do Povo sugere campos de concentração para infectados com coronavírus

Apresentador foi duramente criticado pela sugestão cruel e desumana, utilizada por Adolf Hitler

Foto: Reprodução/SBT

O apresentador do SBT Marcão do Povo, do jornal ‘Primeiro Impacto’, deixou o público completamente horrorizado e foi amplamente criticado nas redes sociais na manhã desta quarta-feira (8). O motivo? Ele sugeriu, ao vivo, que o presidente Jair Bolsonaro criasse “campos de concentração” para reunir as pessoas infectadas pelo coronavírus no Brasil.

A fala do apresentador chocou muitos telespectadores e internautas, que se lembraram da última vez em que os campos de concentração foram utilizados pela humanidade: organizados pelo ditador Adolf Hitler e pela Alemanha Nazista, no período do Holocausto.

Veja também:
R.R. Soares polemiza com oração que 'cura' o coronavírus e o manda para o inferno

Os locais ficaram conhecidos por práticas cruéis e desumanas contra o povo judeu – além de negros e homossexuais. Nestes locais, os confinados passavam fome, eram torturados e obrigados a trabalhar em condições sub-humanas. Tudo isso apenas aguardando a sua vez de serem mortas em câmaras de gás.

Vale citar que Silvio Santos, o dono do SBT e, por consequência, patrão de Marcão do Povo, é judeu.

“Não seria interessante pegar, por exemplo, o Exército, a Aeronáutica, a Marinha, montar um campo de concentração, de cuidados, com os equipamentos mais sofisticados, com os melhores profissionais, e colocar essas pessoas com problemas ou com sintomas?”, sugeriu Marcão do Povo na TV.

As medidas tomadas por grande parte das nações do mundo são de isolamento social para que o vírus não se espalhe ainda mais. No entanto, o argumento do apresentador é que, com a separação dos infectados, o comércio poderia voltar a funcionar e as pessoas voltariam às ruas. Para, assim, “fazer a economia voltar a girar”.

“Então, presidente, é uma dica. Dá um decreto, põe o Exército nas ruas, Marinha e Aeronáutica. Aí, o governador que descumprir, faz igual tão fazendo com o povo, cana! Monta um campo, trata essas pessoas lá e o comércio abre e todo mundo vai trabalhar normalmente”, disse Marcão, sugerindo prender aqueles que descumprirem as ordens do governo – outra sugestão bastante polêmica.

Veja o vídeo:

“Marcão do Povo, o mesmo que chamou Ludmilla de ‘macaca’ na Record, sugeriu campo de concentração para infectados com coronavírus. Assim, quem não está infectado pode retomar a rotina. O SBT não deve puni-lo. Lá, só castigam quem alfineta Jair Bolsonaro ou Edir Macedo”, criticou um internauta. 

Veja também:
Enfermeiro mata namorada médica por causa do coronavírus: 'me passou'

“É preciso denunciar esse tal Marcão do Povo (que povo?) por incitar a segregação dos doentes por coronavírus. Campo de concentração é absurdo que só idiotas, ou criminosos poderiam sugerir. Isso que dá um país que ouve opinião de qualquer imbecil e despreza a ciência”, afirmou outro. 

Segundo informações do portal ‘G1’, cerca de 700 pessoas já morreram pela Covid-19 no Brasil até esta quarta-feira (8). Dados oficiais indicam que há 14.152 pessoas infectadas em todos os estados do país.

SBT se pronuncia sobre a fala de Marcão do Povo

O SBT se pronunciou oficialmente sobre a fala polêmica de Marcão do Povo: “Marcão tem liberdade de expressão, mas a opinião dele é pessoal e não reflete o posicionamento da emissora”.

Esta não foi a primeira vez que Marcão do Povo emitiu uma opinião controversa sobre a pandemia do coronavírus. Em março, ele declarou no ‘Fofocalizando’,  também do SBT, que as pessoas estavam “apenas gripadas” no Brasil.

Veja também:
Jornalista polemiza ao lamentar coronavírus: 'mulheres não podem ir ao salão'

“Nós sabemos que a China comunista estava vivendo protestos diários onde o povo não quer saber de ditadura. Aí de repente veio esse Covid-19. Não tem ninguém internado nos hospitais. De repente, começa isso tudo no mundo e vem para o Brasil. Não temos nenhuma morte, mas temos pessoas gripadas e que dizem que estão com coronavírus”, falou.

“Os infectologistas estão dizendo que aqui no estado de São Paulo a tendência é que se atinja 30 mil casos de coronavírus. Então, é muito sério e os hospitais não têm essa capacidade. Quando se fala em relação à dengue é uma ignorância comparar. A gente tem a fome, dengue e o coronavírus”, rebateu o apresentador Gabriel Cartolano, na ocasião.

Marcão, então, voltou atrás e respondeu alertando a população sobre o perigo do coronavírus.

“O que eu estou colocando é que o vírus atinge os que possuem menor imunidade e, por isso, os mais velhos são os mais afetados. Mas isso não deixa de matar os mais jovens e eu vejo muita gente brincando. E a gente brinca quando não está nas nossas famílias, mas quando está aí se dói”, retrucou.

Veja também:
Juliana Paes revela que conseguiu parar de fumar por medo do coronavírus

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

juliana paes

Juliana Paes revela que conseguiu parar de fumar por medo do coronavírus

coronavírus

Pacientes com suspeita de coronavírus fogem de hospitais e polícia precisa intervir