in ,

Agressor da procuradora é preso após se internar em hospital psiquiátrico

Homem que espancou a própria chefe, Gabriela Samadello, foi encontrado pela polícia em instituição

Fotos: Reprodução

Demétrius Oliveira Macedo, homem que agrediu a própria chefe – a procuradora geral do município de Registro (SP), Gabriela Samadello – foi preso pela polícia na manhã desde quinta-feira (23).

  • Alexa com mais de R$ 100 de desconto!!! Com opção de FRETE GRÁTIS!!! E a melhor parte: experimente por 30 dias e DEVOLVA se não curtir o produto! Confira clicando aqui.

Ele foi encontrado pelos agentes internado no Hospital Psiquiátrico Santa Mônica, localizado na capital paulista, e foi conduzido ao sistema prisional acusado pelo crime de lesão corporal. 

O agressor aparentava estar calmo, bem diferente da postura dele na última segunda-feira, e não resistiu à prisão.

Veja também:
Procuradora é espancada por colega de trabalho e vídeo da agressão choca o Brasil

Demétrius foi flagrado espancando a procuradora dentro da prefeitura de Registro, onde eles trabalhavam, no fim da tarde desta segunda-feira (20).

A motivação do crime foi uma atitude tomada por Gabriela recentemente. Ela pediu abertura de um procedimento administrativo contra Demétrius por maus tratos com outra funcionária.

“Vem tendo sérios problemas de relacionamento com mulheres no ambiente de trabalho, sendo que, em liberdade, expõe a perigo a vida delas, e consequentemente, a ordem pública”, afirmou o delegado responsável pelo caso, que pediu a prisão de Demétrius.

O inquérito policial ouviu a vítima da agressão e reuniu fotos e vídeos do momento em que Demétrius violentou a procuradora Gabriela Samadello dentro da repartição pública.

O caso foi  registrado como lesão corporal. Demétrius admitiu ter agredido a procuradora geral do município, mas alegou que fez isso por sofrer assédio moral no trabalho.

Ao ficar sabendo sobre a prisão, a vítima Gabriela Samadello revelou se sentir mais segura assim:

“Tive a notícia a pouco de que o Demétrius foi preso, vi o vídeo dele sendo conduzido para a prisão. Fiquei muito satisfeita com atuação do Estado, com a celeridade que foi dada. Me sinto muito mais segura agora“, disse ela.

A procuradora agredida disse também que, com coragem, é possível mudar uma situação de violência. Ela relatou que tem recebido várias mensagens de apoio de outras mulheres.

“Isso tem me dado forças para expor essa situação, para poder encorajar cada vez mais pessoas a fazerem o mesmo. E, assim, a gente consegue mudar esse pensamento machista e patriarcal que a gente vê na sociedade hoje”, declarou Gabriela.

O governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, publicou no Twitter um vídeo do momento em que Demétrius foi preso.

Veja o vídeo publicado pelo governador:

Quem é Demétrius, preso por agredir a procuradora?

Demétrius Oliveira Macedo tem 34 anos, é solteiro e não tem filhos. Ele é advogado e assumiu o cargo público de procurador na Prefeitura de Registro há 11 anos, em 2011.

O procurador recebia um salário bruto de cerca de R$ 9,2 mil. Salário este que foi cortado após ter sido afastado temporariamente por 30 dias da função, devido ao flagrante da agressão contra a procuradora geral.

Segundo a vítima, Gabriela Samadello, relatou em entrevista ao portal ‘Metrópoles’, Demétrius não dirigia a palavra à ela.

“Ele só se comunicava comigo formalmente por memorandos. Quando era informalmente, ele mandava bilhetes pelos funcionários”, afirmou a chefe sobre o comportamento suspeito de Demétrius.

Confira o comentário da promotora sobre a prisão de seu agressor:

  • Alexa com mais de R$ 100 de desconto!!! Com opção de FRETE GRÁTIS!!! E a melhor parte: experimente por 30 dias e DEVOLVA se não curtir o produto! Confira clicando aqui.

Procuradora é espancada por colega de trabalho e vídeo da agressão choca o Brasil

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

Tati Minerato - briga

Tati Minerato sai do sério, se envolve em briga e vai pra cima de motorista; vídeo

Ricardo Tozzi - Paulo Gustavo

Vazam áudios de Ricardo Tozzi alegando que psicografou carta para Paulo Gustavo