in ,

Em livro escrito na cadeia, Elize Matsunaga conta detalhes do crime; leia trechos

Ela objetiva usar ‘Piquenique no Inferno’ para contar sua versão da história e pedir perdão à filha de 11 anos

Fotos: Reprodução/Netflix

Nesta quinta-feira (19), completou 10 anos do dia em que Elize Matsunaga matou e esquartejou o marido empresário e herdeiro da Yoki, Marcos Matsunaga, dentro do apartamento do casal, na Zona Oeste de São Paulo.

  • “Alexa, toca minhas músicas”. Frete grátis na 3ª geração do Echo Dot, o aparelhinho da Amazon que todo mundo quer ter em casa – perfeito para qualquer ambiente! Acesse, confira e compre clicando aqui.

Condenada a 19 anos, 11 meses e um dia de reclusão pelo crime, Elize Matsunaga realmente passou os últimos 10 anos atrás das grades. Após ter tido a pena reduzida a 16 anos, atualmente ela está no regime semiaberto.

Veja também:
Suzane Von Richthofen vai ganhar algum dinheiro pelos filmes sobre ela?

Enquanto esteve presa, Elize escreveu um livro de 178 páginas intitulado ‘Piquenique no Inferno’, no qual ela conta que assassinou Marcos Matsunaga sozinha, para se proteger de ofensas e agressões cometidas por ele.

O crime aconteceu no dia 19 de maio de 2012. A filha do casal tinha 1 ano na época e, desde então, está sob a guarda dos avós paternos – que sempre proibiram o contato da criança com a mãe.

Um dos principais objetivos de Elize com o livro é contar sua versão da história para a filha e pedir perdão por ter matado o pai dela.

Livro de Elize Matsunaga

O portal ‘G1’ compartilhou trechos do livro. No decorrer da publicação, ela conta que foi estuprada pelo padrasto aos 15 anos de idade e que sofria violência doméstica no casamento.

Ela chega a detalhar o que ouviu de Marcos Matsunaga segundos antes de atirar contra ele.

Atira, sua fraca! Atira! Sua vagabunda! Atira ou some daqui com sua família de bosta e deixa minha filha. Você nunca mais irá vê-la. Acha que algum juiz dará a guarda a uma puta?”, escreve Elize, que mistura 1ª e 3ª pessoa durante a narração.

“A cabeça de Elize parecia um torvelinho. Um caos. Um turbilhão de palavras e sentimentos, entre eles o medo, tão perigoso… Foi então que o dedo no gatilho fez seu trabalho…“, continua ela no livro.

Veja também:
Após tantos atrasos, filmes sobre Suzane Von Richthofen são lançados no streaming

Veja fotos do caderno que Elize usou para escrever o livro:

Livro - Elize Matsunaga
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal
Livro - Piquenique no Inferno
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

Ainda durante o livro, Elize Matsunaga cita o sentimento que teve ao ser estuprada pelo padrasto quando tinha apenas 15 anos.

“Quando a penetrava, Elize sentia uma dor cortante com a sensação quente de seu sangue e a reação inútil de seu corpo. Cedeu sua virgindade à violência“, descreve ela.

Em determinado momento, Elize fala diretamente com a filha: “Espero muito ansiosamente que um dia você me perdoe. Não pretendo justificar o injustificável”.

Elize ainda continua: “Não há a menor possibilidade de desistir de lutar por ti, minha filha”, diz ela, na esperança de que o texto chegará até a filha que hoje tem 11 anos de idade.

“Minha amada [filha], não sei quando você lerá essa carta ou se um dia isso irá acontecer. Sei o quão complicada é nossa história, mas o que eu escrevo aqui não se apagará tão fácil“, escreve.

Veja uma foto do casal, Marcos e Elize Matsunaga:

Marcos e Elize Matsunaga
Foto: Arquivo Pessoal
  • “Alexa, toca minhas músicas”. Frete grátis na 3ª geração do Echo Dot, o aparelhinho da Amazon que todo mundo quer ter em casa – perfeito para qualquer ambiente! Acesse, confira e compre clicando aqui.

Filmagens mostram como foi julgamento de Elize Matsunaga; assista

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

Bel Moreira - Silvio Santos

Atriz de ‘Poliana Moça’ diz que namora uma mulher e Silvio Santos reage

Rodrigo Faro

Mulher confundida com travesti processa Rodrigo Faro e Record TV