in ,

Brasileiro e amigo são encontrados mortos em circunstância misteriosa em navio

Jovem de 32 anos vivia nos EUA há 8 anos; família faz vaquinha online para trazer o corpo ao Brasil

Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Túlio Lacerda, um jovem de 32 anos, natural de Minas Gerais, e seu amigo Jason Aguirre, foram encontrados sem vida em um navio de cruzeiro na Califórnia (EUA).

O fato deixou a família de Lacerda em um esforço angustiante para arrecadar fundos para o retorno do corpo ao Brasil.

A descoberta dos corpos aconteceu na tarde de 30 de outubro, quando a equipe do cruzeiro, após perceber a ausência da dupla no processo de desembarque, se deparou com a cena trágica – os dois jovens mortos no chão do quarto onde se hospedaram.

O navio, que partiu da Califórnia com destino ao México, já se encontrava de volta às águas americanas, finalizando o que deveria ter sido uma viagem de férias inesquecível para os amigos.

Foi só nesse momento que profissionais do navio encontraram os rapazes – já sem vida.

A notícia, veiculada inicialmente pelo ‘Diário de Teófilo Otoni’, foi confirmada com pesar por familiares de Túlio ao portal ‘Uol’.

“Os paramédicos tentaram reanimar Túlio e Jason quando eles foram encontrados, mas não tiveram sucesso“, relatou Dony Gonçalves, tia de Túlio, acrescentando que nenhum sinal de violência foi observado.

Veja fotos de Túlio compartilhadas nas redes sociais:

Túlio Lacerda
Fotos: Reprodução/Redes Sociais

Mistério no navio

Neila Gonçalves, também tia de Túlio, em suas palavras ao portal ‘Uol’, cita a dor da incerteza que a família do jovem brasileiro tem enfrentado.

Veja também:
Após ser traída, mulher vira detetive e já desmascarou mais de 400 homens

A família está muito abalada, muito chocada. A gente ainda está meio sem acreditar. Muita tristeza. A família ainda não sabe a causa [da morte] e isso gera mais tristeza ainda aos amigos e familiares. […] Tulinho era um menino de ouro, muito querido por amigos e familiares. Não dá pra mensurar nossa dor”.

Enquanto o luto toma conta, amigos e familiares prestam homenagens a Túlio nas redes sociais.

Uma missa de sétimo dia já foi realizada em Massachusetts, onde um amigo próximo a Túlio declarou nas redes sociais: “Você sempre será lembrado. Eu te amo“.

Túlio Lacerda viva nos Estados Unidos há 8 anos, desde 2015, e já tinha conquistado o Green Cardvisto permanente de imigração concedido pelas autoridades norte-americanas.

Por três anos, Túlio fez parte do exército dos Estados Unidos. Em 2023 ele decidiu sair, mas ainda estava no quadro de reservistas.

Família faz vaquinha para trazer corpo ao Brasil

Para viabilizar o traslado do corpo dos EUA ao Brasil, foi iniciada uma campanha de financiamento coletivo, que até a última atualização havia arrecadado R$ 124 mil, com uma meta estipulada em aproximadamente R$ 146 mil.

Em um depoimento emocionado no site da campanha, Maycon da Silva, amigo de Túlio, disse:

Túlio era uma pessoa incrível, carinhosa e amorosa. Ele era uma luz para todos os seus amigos e familiares. Para as pessoas que o conheceram, rapidamente seria se apaixonar por seu enorme coração e grande sorriso. Este é um momento extremamente difícil para todos nós, nunca esperávamos que isso acontecesse, e tudo o que pudesse em ajudar ficaremos super gratos”.

No meio diplomático, o Itamaraty, em declaração ao ‘Uol’, afirmou que os consulados-gerais do Brasil em Los Angeles e São Francisco estão prontos para oferecer assistência necessária aos familiares, aguardando a finalização dos procedimentos por parte das autoridades locais.

Veja também:
Os maridos de Ana Maria Braga: quantas vezes ela já se casou?

O episódio, que agora se encontra sob investigação policial nos Estados Unidos, levantou uma série de questões e deixou toda uma comunidade de luto.

Brasileiro morre ao visitar a perigosa (e proibida!) ‘Caverna de Gelo’ na Argentina

Em Destaque

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

Luana Andrade morreu

Após lipoaspiração: causa da morte de Luana Andrade é revelada

crânio humano

Crânio humano encontrado à venda em ‘brechó de Halloween’ vira caso de polícia