in ,

Padre com nome Miguel Falabella morre e assusta fãs do ator homônimo

Monsenhor morreu vítima da Covid-19, no mesmo dia em que o artista também havia sido diagnosticado

Fotos: Reprodução/Instagram

Um padre brasileiro, que tem exatamente o mesmo nome do famoso ator e apresentador Miguel Falabella, morreu na noite da última segunda-feira (23) depois de receber o diagnóstico de Covid-19 e passar 14 dias internado na UTI da Santa Casa de Misericórdia da cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

A notícia foi divulgada e se espalhou pelo país, assustando os fãs do ator Miguel Falabella. O que deixou a história mais estranha foi a enorme coincidência de o ator também ter testado positivo para Covid-19 – exatamente na mesma data. Ele usou suas redes sociais para comunicar isso aos amigos e seguidores.

Veja também:
Religião inusitada cultua Maradona como um deus e tem mais de 100 mil fieis

Na manhã desta terça-feira (24), Miguel publicou um vídeo dizendo: “Tive um leve mal-estar, mas estou bem”.

Segundo ele, está sendo acompanhado por médicos enquanto cumpre a quarentena em casa. “Estou bem, aqui em quarentena, esperando essa onda passar e ansioso pelo retorno da vida como todos nós”, afirmou o artista.

“Muito obrigado por vocês que estão preocupados, me telefonando, mandando mensagem”, agradeceu o ator e apresentador.

Confira:

Morte do Monsenhor Miguel Falabella

A Arquidiocese de Juiz de Fora emitiu uma nota falando sobre o falecimento do padre que possuía o mesmo nome do ator.

“Miguel Falabella estava internado na UTI desde o dia 9 deste mês. Na noite do dia 8 de novembro, Monsenhor sentiu falta de ar e mal-estar, sendo encaminhado ao hospital. Após exame PCR, constatou-se diagnóstico de Covid-19 e o sacerdote ficou internado”, escreveu.

Veja também:
Alessandra Scatena diz que o marido, vítima da Covid-19, já falava em tom de despedida

Dom Gil Antônio Moreira, Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, lamentou com pesar a partida de Falabella – que teve 66 anos de sacerdócio.

“Em nome dos familiares, em nome da Irmandade do Senhor dos Passos, da qual era membro, da Diretoria da Santa Casa de Misericórdia da qual fazia parte como representante do Arcebispo, e ainda em nome de toda a nossa Arquidiocese de Juiz de Fora, levo a todos o conforto da fé na ressurreição dos mortos, que ele pregou tão bem em toda a sua vida, e a gratidão por tudo aquilo que este extraordinário servo de Cristo fez em sua longa vida sacerdotal”, disse.

Devido aos protocolos de segurança estabelecidos durante a pandemia, a Missa Exequial, que aconteceu na Catedral Metropolitana, às 10h, de terça-feira (24), foi transmitida, ao vivo, pelo YouTube da WebTV ‘A Voz Católica’.

Dom Gil ainda revelou, em nota, o último pedido de Monsenhor Falabella.

“Cumpro o dever de informar, segundo o seu belo Testamento Espiritual, cuja cópia está em meu poder, que ele pediu aos que por acaso quisessem oferecer-lhe coroas de flores, não o fizessem, mas, que destinassem à obra ‘Pequeninos de Jesus’, que na Arquidiocese cuida dos pobres que vivem em situação de rua, o valor que despenderiam com tal homenagem”, afirmou.

Ainda em razão da pandemia, o velório e o Rito das Exéquias tiveram participações apenas de alguns familiares e poucos padres, no Cemitério Parque da Saudade.

A vida do Monsenhor Miguel Falabella

Segundo informações do jornal ‘Estado de Minas’, Falabella nasceu no dia 29 de junho de 1931 em Mar de Espanha, pequena cidade próxima a Juiz de Fora, Minas Gerais. Ele foi ordenado padre aos 23 anos, em 25 de abril de 1954, pelo primeiro bispo da Diocese de Juiz de Fora, Dom Justino José de Santana.

Miguel Falabella também foi Pároco da Catedral Metropolitana por quase 40 anos, entre 1963 e 2002. Ele recebeu o título de Vigário Geral da Arquidiocese, função que exerceu até março de 2019, quando renunciou ao cargo por motivos de idade e saúde.

Ele também foi Pároco da Paróquia São Geraldo, do Bairro Teixeiras, entre 2002 e 2009, ano em que começou a trabalhar como Vigário Paroquial na mesma comunidade. Nos últimos anos, ele ainda exerceu este mesmo cargo na Paróquia Bom Pastor e na própria Catedral.

Veja também:
Com filho recém-nascido, Luccas Neto testa positivo para a Covid-19

O presbítero recebeu vários títulos no decorrer de sua vida. Entre eles: O de Cidadão Honorário de Juiz de Fora, de onde também é considerado Cidadão Benemérito; Cidadão Honorário de Santa Rita de Ibitipoca.

Mérito Comendador Henrique Guilherme Fernando Halfeld; Medalha da Inconfidência; Diploma de benemérito-amigo da Polícia Militar de Minas Gerais e Personalidade Cobra de Ouro da ANVFEB (Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira).

Falabella foi vigário-geral por quase 17 anos. Em março de 2019, ele se despediu do cargo por iniciativa própria. Os motivos foram sua idade já avançada e seu estado de saúde.

Após 38 anos de trabalho, Miguel Falabella é demitido da TV Globo

Comente com o Facebook
igreja maradona

Religião inusitada cultua Maradona como um deus e tem mais de 100 mil fieis

Borat-Amor & Sexo baleado

Borat, assistente de palco de ‘Amor & Sexo’, é baleado no RJ e está em estado grave