in ,

Casal gay em propaganda de carro gera ataques, ameaças e muita polêmica

Foto faz parte da campanha de divulgação do novo Polo, da Volkswagen, e repercutiu nas redes sociais

Foto: Reprodução/Volkswagen

Muito tem se falado sobre uma campanha publicitária da Volkswagen que traz a foto de um casal gay para divulgar um novo veículo.

  • DESTAQUES ARREPIANTES! Livros de Suspense e Mistério a menos de R$ 10??? Lista de eBooks com até 80% de desconto! Não deixe de garantir a promoção clicando aqui e atualize sua lista de leituras. 

Murillo e Diego Xavier aparecem em clima de romance em frente ao novo Polo e, após a repercussão, eles começaram a receber ataques e mensagens violentas nas redes sociais.

A campanha da montadora começou a ser veiculada em 2021, no mês da diversidade, mas a marca voltou a publicar a foto nas redes sociais e, só agora, as acusações e ameaças chegaram à família.

Sabe o que evoluiu junto com você? O Polo“, diz a propaganda. Em seguida, a marca que “o que já era bom ficou melhor”, citando os avanços tecnológicos do carro.

Veja também:
Ex-namorada de Ayrton Senna sobre boatos de que ele era gay: 'foi minha culpa'

Mesmo estando em circulação há 5 meses, só agora a campanha viralizou, principalmente após um cliente da Volkswagen postar um vídeo dizendo que devolveria o carro por se tratar de um veículo “para gays”.

Diante da exposição e os consequentes ataques, Murilo e Diego Xavier afirmaram em entrevista que eles não têm a intenção de “morrer como mártires” da causa.

Entretanto, entendem a importância do comercial, que reforça que o público LGBTQIA+ é consumidor e pode ocupar espaços até mesmo em meios tradicionalmente machistas, como o automotivo.

Diego conta que os ataques estão intensos e atingindo até familiares deles.

“Na primeira vez, esse movimento ficou só na internet, mas agora eles abusaram: foram para cima dos meus irmãos e sobrinhos, que não têm nada a ver com isso. Sou um exemplo de LGBTI que teve que sair do interior para viver a sexualidade de forma plena na capital”, conta Diego em entrevista ao ‘Uol Carros’.

Diego afirmou, ainda, que não imaginava tamanha repercussão, afinal, a foto foi veiculada em junho de 2021 e isso não aconteceu na época.

“Nessa data, todas as empresas fazem ações, então todo mundo está um pouco mais amigável à causa, as propagandas não geram tanto impacto. Essa continuação mostra até um comprometimento maior por parte da marca. O saldo é positivo, é uma questão de representatividade, de mostrar que o público também paga impostos e é consumidor. Mas não quero ser mártir. Ninguém quer morrer. Os ataques são preocupantes, declarou Diego.

Veja também:
Ator Gerard Butler admite que já fez sexo com homens, mas garante que não é gay

Confira a publicação da Volks no Instagram:

Casal gay sofre com ataques

Murilo Moreno, professor de planejamento de campanha da ESPM, acredita que a Volkswagen acertou ao mostrar a diversidade de uso de seus carros. Entretanto, a marca precisa trabalhar para não perder clientes, tendo em vista a realidade da sociedade atual.

“No Brasil, a gente tem tido, diversas vezes, reações contrárias a campanhas que são normais na Europa e nos Estados Unidos. Isso acontece porque nossa sociedade, no geral, é mais tradicionalista. Vai demorar um tempo para as pessoas entenderem que não é porque tem um casal gay na propaganda que o carro é só para gay. A montadora acertou, mas é importante acompanhar o que ela fará para evitar respingos na imagem por conta desses consumidores incomodados, disse o professor.

Sobre os ataques feitos contra Murillo e Diego Xavier, o advogado Marco Antonio Sabino explicou ao ‘Uol’ que podem caracterizar crimes.

“Os ataques podem, eventualmente, caracterizar tipos penais e crimes. O Ministério Público pode atuar pedindo indenização dos responsáveis“, afirmou o advogado.

Veja também:
Theo Becker diz que tentou ser gay, mas não teve sucesso na empreitada

“Esse tipo de situação é muito preocupante, porque faz com que outras marcas que queiram falar com esse público desistam desse tipo de comunicação com medo de retaliações. No meu entendimento, isso não pode suceder em uma sociedade plural e democrática que queremos construir, mas parece que estamos um pouco distantes de conseguir construí-la”, complementou o profissional.

Murillo e Diego - propaganda Volks
Foto: Reprodução/Volkswagen

Volkswagen sai em defesa da propaganda

Diante da polêmica, a montadora afirmou que promover a diversidade e a inclusão é um dos pilares estratégicos da marca.

“A premissa da marca é garantir um comportamento respeitoso e inclusivo, dentro e fora da empresa, com parceiros diretos ou indiretos de negócio. A Volkswagen lançou uma cartilha de Diversidade & Inclusão para toda sua cadeia de fornecedores e rede de concessionárias no Brasil e, continuamente, desenvolve debates com seus funcionários, em todas as esferas hierárquicas”, diz a nota.

“Acreditamos que cada pessoa, de diferentes raças, etnias, gênero, orientação sexual e idade/geração, tem experiências únicas, que somadas contribuem para fortalecer não somente a cultura da empresa, mas também o ambiente em que vivemos.

Veja também:
Marco Pigossi 'choca um total de 0 pessoas' ao assumir namoro gay

Temos como responsabilidade continuar aprendendo de que forma podemos contribuir para a luta contra qualquer forma de preconceito, pois consideramos fundamental conciliar as diferenças para a construção de uma sociedade justa para todos.

No que tange a interação com os usuários, comentários ofensivos e desrespeitosos, são devidamente apagados de nossas páginas”, finaliza a Volks em seu pronunciamento.

Representantes LGBTQIA+ se pronunciam

Diego e Murillo, o casal gay da campanha, fazem parte do Grupo Dignidade, ONG que luta pela cidadania e direitos LGBTQIA+.

Após a polêmica decorrente da propaganda da Volkswagen, o grupo está oferecendo suporte jurídico para que todas as pessoas que praticaram LGBTIfobia contra o casal sejam punidas.

“Apesar de a sociedade ter mudado bastante nos últimos anos, casos como este ainda são muito mais comuns do que parecem. São diversas denúncias de LGBTIfobia que chegam até o Grupo Dignidade toda semana”, afirmou Mateus Cesar, diretor administrativo do Grupo Dignidade, em entrevista ao ‘Uol’.

Veja também:
Silvio Santos faz piada e insinua que Dudu Camargo seja gay

“Em 2019, o STF entendeu que a LGBTIfobia é uma espécie do crime de racismo, conduta grave, cuja pena mínima é de 4 anos de prisão. Assim, fica claro que a sociedade não tolera mais atos que excluem e discriminam as pessoas com base na orientação sexual e na identidade de gênero“, acrescentou Mateus Cesar.

  • DESTAQUES ARREPIANTES! Livros de Suspense e Mistério a menos de R$ 10??? Lista de eBooks com até 80% de desconto! Não deixe de garantir a promoção clicando aqui e atualize sua lista de leituras. 

Sikêra Jr. faz RedeTV! perder patrociníos após chamar gays de ‘raça desgraçada’

Recomendamos para você

Deixe seu comentário

Cristiana Oliveira

Virou onça! Cristiana Oliveira se irrita com comentário de repórter e dá resposta afiada

Paula Araújo - repórter GloboNews

Homem xinga, joga o carro e tenta atropelar repórter da Globo ao vivo